19.09.2018
• postado em #seratuante

É importante conhecer bem a si mesmo, como também os cursos e carreira que pretende seguir. Com certeza você já ouviu muito isso, mas de fato esse encaminhamento é a melhor forma de escolher uma profissão. Buscar referências e informações com amigos, familiares, amigos dos seus pais, psicólogo da escola e outras pessoas que já estão no mercado de trabalho ou na faculdade, é a melhor maneira de conseguir esse conhecimento.

Além disso, Denise Retamal, diretora-executiva da RHIO'S Recursos Humanos e responsável pelo programa de orientação de carreiras "Jobs of the Future", defende que o estudante, antes de escolher um curso, pense na carreira que deseja para a vida. "Hoje, mais importante do que a profissão é a carreira que você constrói. O mercado pede expertise, que a soma de conhecimentos multidisciplinares com experiências múltiplas - não necessariamente de trabalho, mas de vida", diz ela.

Isso exige dois passos. Primeiro, é preciso olhar para dentro de si e analisar suas habilidades, gostos e personalidade. Depois, deve procurar as carreiras que possam combinar com você e buscar a maior quantidade possível de informações sobre elas. Veja palestras, congressos, pesquise sobre o mercado e converse com profissionais da área. Conhecer a universidade e tentar participar de atividades por lá, incluindo até algumas aulas, também pode ajudar você a se decidir.

O intuito nessa etapa, não é decidir por uma profissão, como geólogo ou médico. Porém, descobrir áreas e temas de interesse com os quais você gostaria de trabalhar em longo prazo - por exemplo, exploração mineral ou cirurgia infantil. "Há carreiras, como a nanotecnologia, que podem ser aplicadas em vários segmentos. Não adianta escolher um curso de graduação sem saber o que vai fazer com ele", completa Denise.

COMO FAZER A ESCOLHA CERTA

1. Analise-se.

Liste suas habilidades, gostos e personalidade.

2. Busque informações de fora.

Procure as carreiras que vão permitir aplicar e desenvolver suas habilidades e gostos, e junte a maior quantidade possível de informações sobre elas.

A ideia é que, se você já sabe aonde quer chegar na carreira, terá mais clareza para definir os passos e ferramentas necessárias para isso - como os cursos de graduação e especialização que vai fazer, os idiomas que precisa aprender, estágios e a melhor instituição para estudar (dependendo do lugar, os cursos podem ter focos diferentes), por exemplo. "Com esse preparo, ao final do curso a sua inserção no mercado de trabalho já será mais natural", afirma Denise.

Ao longo desse processo, é bom considerar certas questões. Manoela Costa, gerente da PageTalent, uma consultoria especializada no recrutamento e seleção de estagiários e trainees, listou algumas perguntas que você deve fazer a si mesmo:

PERGUNTE-SE:

- Em que profissões poderei usar as habilidades que já tenho?

- Eu conheço bem o curso que pretendo fazer?

- Já dei uma olhada na grade para ver que matérias vou estudar?

- Em que locais, empresas e cargos poderei aplicar os conhecimentos adquiridos na faculdade?


Em relação à profissão escolhida, reflita e escreva em um papel as respostas às seguintes questões:

SOBRE A PROFISSÃO QUE VOCÊ PENSA EM FAZER:

- Que atividades terei de fazer nessa profissão e vou gostar?

- Que atividades terei de fazer e não vou gostar?

- Que atividades não farei, mas gostaria de fazer?

- Que atividades não farei e não gostaria de fazer?


Depois de fazer isso, é preciso considerar se as vantagens e desvantagens vão compensar. Você vai se sentir realizado se não puder usar algumas de suas habilidades? E se tiver de fazer coisas que não gostaria? Se não consegue ver sangue, por exemplo, e ainda assim quer fazer Medicina, vale se perguntar por que você quer tanto essa carreira e se o saldo será positivo no fim do processo. "O ideal seria a pessoa conseguir conciliar as duas coisas: habilidade e hobby", diz Manoela.

Fonte: https://guiadoestudante.abril.com.br/orientacao-profissional/como-escolher-o-curso-que-melhor-se-encaixa-em-seu-perfil/

 

0 comentários