Para isso são usados os anemômetros, aparelhos parecidos com cata-ventos. Eles são calibrados em túneis de vento para que o número de voltas de suas pás corresponda a uma velocidade específica. Funciona mais ou menos assim: no túnel de vento é criada uma poderosa corrente de ar a uma velocidade fixa. Dentro dele é colocado um anemômetro que começa a ter as pás giradas. Se, digamos, o túnel estiver soltando vento a uma velocidade de 10 km/h e as pás derem 100 voltas em um minuto, os técnicos já podem programar o aparelho para indicar 10 km/h toda vez que ele atingir 100 rotações por minuto. Mesmo assim, resta a dúvida: como saber qual é a velocidade da corrente de ar antes de calibrar o anemômetro? Uma das técnicas usadas é colocar um fio quente dentro do túnel. “Quando começa o vento, o fio vai esfriando. Então, quanto maior for o resfriamento, maior será a velocidade do ar”, diz o meteorologista Amauri Oliveira, da USP.

É uma operação que segue uma fórmula matemática: sabendo a temperatura do fio sem vento, os cientistas calculam a que velocidade a corrente de ar estará quando o fio esfriar. Com essa informação nas mãos, basta calibrar o anemômetro e sair por aí medindo as ventanias naturais.

Fonte: Mundo Estranho